Me dá medo do medo que dá

Associação Livre , 22/05/2015

Alguns dizem que o mundo nunca esteve tão violento como nos dias de hoje, mas é mentira, o mundo já foi muito, mas muito mais perigoso e violento. Porém, nos dias de hoje existe uma peculiaridade: não sei o rosto de quem me assusta, se no passado o inimigo tinha nome nos dias de hoje qualquer um pode ser um inimigo. Como não sei de onde pode vir o ataque fico sempre pronto para o contra-ataque, e muitas vezes o dedo escapa e acabo atacando o outro acreditando que ele iria me atacar. E nisso eu cada vez mais me desconheço e a qualquer momento, na calada da noite, posso ser mortífero para mim mesmo. Não há diálogo, há um massacre antecipado, são tempos do pequeno outro, rivalidade, desconhecimento e medo do outro do espelho, lugar da paranoia, o medo dialético do Senhor-Escravo de Hegel. Temos medo de tudo, medo até de sentir medo e não encontrar uma doença que justifique esse medo e esse medo ser só medo. Quantos medos.
É como se estivemos sendo o tempo todo observados por um outro que nos ameaça, nos vigia e nos pune, o dispositivo pan-óptico descrito por Foucault, só que a céu aberto:
“cada um, em seu lugar, está bem trancado em sua cela, de onde é visto de frente pelo vigia; mas os muros laterais impedem que entre em contato com seus companheiros. É visto, mas não vê; objeto de uma informação, nunca sujeito numa comunicação. A disposição de seu quarto, em frente da torre central, lhe impõe uma visibilidade axial; mas as divisões do anel, essas celas bem separadas, implicam uma invisibilidade lateral. E esta é a garantia da ordem. ” – Foucault

 

“Tienen miedo del amor y no saber amar
Tienen miedo de la sombra y miedo de la luz
Tienen miedo de pedir y miedo de callar
Miedo que da miedo del miedo que da
Tienen miedo de subir y miedo de bajar
Tienen miedo de la noche y miedo del azul
Tienen miedo de escupir y miedo de aguantar
Miedo que da miedo del miedo que da
El miedo es una sombra que el temor no esquiva
El miedo es una trampa que atrapó al amor
El miedo es la palanca que apagó la vida
El miedo es una grieta que agrandó el dolor
Tenho medo de gente e de solidão
Tenho medo da vida e medo de morrer
Tenho medo de ficar e medo de escapulir
Medo que dá medo do medo que dá
Tenho medo de acender e medo de apagar
Tenho medo de esperar e medo de partir
Tenho medo de correr e medo de cair
Medo que dá medo do medo que dá
O medo é uma linha que separa o mundo
O medo é uma casa aonde ninguém vai
O medo é como um laço que se aperta em nós
O medo é uma força que não me deixa andar
Tienen miedo de reir y miedo de llorar
Tienen miedo de encontrarse y miedo de no ser
Tienen miedo de decir y miedo de escuchar
Miedo que da miedo del miedo que da
Tenho medo de parar e medo de avançar
Tenho medo de amarrar e medo de quebrar
Tenho medo de exigir e medo de deixar
Medo que dá medo do medo que dá
O medo é uma sombra que o temor não desvia
O medo é uma armadilha que pegou o amor
O medo é uma chave, que apagou a vida
O medo é uma brecha que fez crescer a dor
El miedo es una raya que separa el mundo
El miedo es una casa donde nadie va
El miedo es como un lazo que se apierta en nudo
El miedo es una fuerza que me impide andar
Medo de olhar no fundo
Medo de dobrar a esquina
Medo de ficar no escuro
De passar em branco, de cruzar a linha
Medo de se achar sozinho
De perder a rédea, a pose e o prumo
Medo de pedir arrego, medo de vagar sem rumo
Medo estampado na cara ou escondido no porão
O medo circulando nas veias
Ou em rota de colisão
O medo é do Deus ou do demo
É ordem ou é confusão
O medo é medonho, o medo domina
O medo é a medida da indecisão
Medo de fechar a cara
Medo de encarar
Medo de calar a boca
Medo de escutar
Medo de passar a perna
Medo de cair
Medo de fazer de conta
Medo de dormir
Medo de se arrepender
Medo de deixar por fazer
Medo de se amargurar pelo que não se fez
Medo de perder a vez
Medo de fugir da raia na hora H
Medo de morrer na praia depois de beber o mar
Medo… que dá medo do medo que dá
Medo… que dá medo do medo que dá” (Lenine)

Saulo Durso Ferreira, Psicanalista, Professor e Supervisor de Psicanálise da FMU

[email protected]

Academia Freudiana

medo-paralisar