Deformação Psicanalítica: Psicopatologia Winnicottiana?

Deformação Psicanalítica , 13/05/2020

Provisão para a criança na saúde e na crise (1962)

 

Quais são as condições para o estabelecimento das bases da saúde mental? As crianças aqui abordadas – nesse início de texto – são consideradas como sadias fisicamente e mesmo quando existe alguma questão física, elas estão sendo cuidadas sob um controle pediátrico. Em situações como anorexia nervosa a inanição não pode ser atribuída à negligência física (p. 63). Quando as condições hereditárias, saúde física, ou ainda, o aparato cerebral está em seu funcionamento saudável, os problemas emocionais se relacionam ao cuidado, ao relacional (ainda que inicialmente a relação entre duas pessoas só é possível ser percebida por observadores externos). “O desenvolvimento emocional ocorre na criança se se provêem condições suficientemente boas, vindo o impulso para o desenvolvimento de dentro da própria criança” (p. 63). Esse é o cenário da maturidade, na condição de uma saúde mental deficiente falamos de imaturidade. No entanto a saúde não é o suficiente; alguém estar livre de uma doença mental ou de uma neurose não garante uma “vida que vale a pena ser vivida”:

“(…) frequentemente perdoamos um homem ou uma mulher por doença mental ou outro tipo de imaturidade porque esta pessoa tem uma personalidade tão rica que a sociedade tem muito a ganhar da atribuição excepcional que ela pode fazer. Permito-me afirmar que a contribuição de Shakespeare foi tal que não importaria se descobríssemos que era imaturo, ou homossexual ou anti-social em algum aspecto.” (p. 63)

A teoria do desenvolvimento emocional

Como quase sempre, começamos em Freud e caminhamos para “trás”…

Em Freud…

1- Desenvolvimento em termos de vida instintiva (id), em termos de relações objetais. 

2- Desenvolvimento em termos de estrutura da personalidade (ego).

3- O período de latência marca o fim do período de crescimento, que será retomado na adolescência.

Em Winnicott…

1- Integração no tempo e espaço

2- Personalização

3- Realização – inicio das relações objetais

Organizando “temporalmente”

1- Integração no tempo e espaço

2- Personalização

3- Realização – inicio das relações objetais

4- Desenvolvimento em termos de vida instintiva (id), em termos de relações objetais. 

5- Desenvolvimento em termos de estrutura da personalidade (ego).

6- Desenvolvimento do superego

7- O período de latência marca o fim do período de crescimento, que será retomado na adolescência.

Tem-se um processo de maturação, com diferentes momentos de necessidades e cuidados específicos a cada um deles e, consequentemente, a falta de cuidado diante de um tipo de necessidade (na repetição da falta do cuidado) configura-se uma falha ambiental. Essa ideia está presente não só no desenvolvimento do bebê/criança mas também precisa ser pensado na criança dentro do adulto; quando escutamos alguém na clínica, precisamos ter como referencia os diferentes tipos de dependência e o que acontece quando falhas ambientas (que ultrapassam a capacidade onipotente da criança/adulto) ocorrem, a consequência de imaturidade em termos de saúde mental:

Referência: Winnicott – O ambiente e os processo de maturação

 

Prof. Me. Saulo Durso Ferreira

Psicólogo CRP: 06/88338

Psicanalista, Mestre em Psicologia pela PUCCAMP

Professor e Supervisor Clínica