Os cinco tipos de falso self na teoria de Winnicott

Winnicott , 21/10/2017

1- Em um extremo: o falso self se implanta como real e é isso que os observadores tendem a pensar que é a pessoa real. Nos relacionamentos de convivência, de trabalho e amizade, contudo, o falso self começa a falhar.  Em situações em que o que se espera é uma pessoal integral, o falso self tem algumas carências essenciais. Neste extremo o self verdadeiro permanece oculto.

2- Menos extremo: o falso self defende o self verdadeiro; o self verdadeiro contudo, é percebido como potencial e é permitido a ele ter uma vida secreta. Aqui se tem o mais claro exemplo da doença clinica como uma organização com uma finalidade positiva, a preservação do indivíduo a despeito das condições ambientais anormais. Esta é uma extensão do conceito psicanalítico do valor dos sintomas para a pessoa doente.

3- Mais para o lado da normalidade: o falso self tem como interesse principal a procura de condições que tornem possível ao verdadeiro self emergir. Se essas condições não podem ser encontradas contra a expoliação do self verdadeiro, e se houver dúvida o resultado clínico por ser o suicídio. Suicídio neste contexto é a destruição do self total para evitar o aniquilamento do self verdadeiro, então se torna tarefa do falso self organizar o suicídio. Isto, naturalmente, envolve sua própria destruição, mas ao mesmo tempo elimina a necessidade de sua existência prorrogada, já que sua função é a proteção do self verdadeiro contra insultos.

4- Ainda mais para o lado da normalidade: o falso self é construído sobre identificações (como no exemplo da paciente mencionada, cujo ambiente de sua meninice e sua ama-seca real lhe deu muito do colorido da organização do seu falso self).

5- Na normalidade: o falso self é representado pela organização integral da atitude social, polida e amável, um “não usar o coração na manga”, como se poderia dizer. Muito passou para a capacidade do indivíduo de renunciar a onipotência e ao processo primário em geral, o ganho se constituindo o lugar na sociedade que nunca pôde ser atingido ou mantido com o self verdadeiro isoladamente.

Winnicott, D. W. – O ambiente e os processos de maturação , Capítulo 12 – Distorções do ego em termo de falso e verdadeiro “self”.